Fesmepar participa de videoconferência com representantes de entidades estaduais em apoio à vacina contra a Covid-19, desenvolvida pela UFPR

A diretora de finanças da Fesmepar, Sonia Marchi, participou nesta terça-feira (1º/6) de videoconferência com representantes de entidades de trabalhadores e de movimentos sociais do Estado, que encaminharam uma carta à Bancada de deputados federais do Paraná, e manifestaram apoio à vacina contra a Covid-19 que está sendo desenvolvida pela Universidade Federal do Paraná.

A videoconferência contou com a participação do deputado federal Toninho Wandscheer, de representantes da UGT-Paraná,  Federação das Mulheres do Paraná, União Brasileira de Mulheres (UBM/PR), União das Mulheres de Pinhais (UMP), Rede Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Associação Reviver Down, União dos Pais Pelo Autismo (UPPA), União Paranaense dos Estudantes (UPE) e Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras (CTB/PR).

Representando a Fesmepar, a diretora de finanças Sonia Marchi frisa que neste momento crítico em que vivemos, é preciso buscarmos alternativas viáveis para a imunização do maior número de pessoas possível para que o país alcance o controle do vírus. Sonia também destacou a importância das pesquisas realizadas pela UFPR no desenvolvimento de uma vacina mais acessível para todos.

O deputado federal Toninho Wandscheer disse que a Bancada foi unânime na decisão de apoiar a universidade. “Nossa intenção é viabilizar recursos, através de emenda impositiva, para que a UFPR avance rápido com a pesquisa e o desenvolvimento da vacina, ajudando na imunização dos brasileiros. Vamos torcer para que a vacina fique pronta até o final do ano”, comentou o coordenador.

Representando o reitor da UFPR, Ricardo Marcelo Fonseca, o professor Helton Alves, agradeceu o gesto das entidades e fez uma explanação sobre o andamento da vacina. “Os nossos pesquisadores têm se dedicado à pesquisa dia e noite. A vacina se encontra na fase pré-clínica e o diferencial é que ela é totalmente brasileira – usa insumos e tecnologia nacionais e o imunizante tem baixo custo”, explicou Helton, que também enalteceu a mobilização da Bancada Paranaense em apoiar esse movimento tão importante para o país.

A UFPR segue angariando recursos para o desenvolvimento da vacina 100% nacional. “Precisamos da ajuda de todos”, finalizou o professor.

VACINA BRASILEIRA

A vacina (contra a Covid-19) está sendo desenvolvida na Universidade Federal do Paraná (UFPR), por especialistas desde junho de 2020. O método tem baixos custos de produção e pode ser replicado em vacinas para outras doenças, diferentemente de outras vacinas aprovadas para imunização no Brasil, que utilizam vírus inativados ou atenuados como vetores virais.

Utilizando a nanotecnologia, no lugar do vírus, a vacina da UFPR conta com uma nanoesfera de biopolímero, um material biodegradável que não gera efeitos tóxicos no organismo. A nanoesfera é, então, coberta com partes da proteína S ou Spike do coronavírus, obtidas a partir de proteínas mudadas geneticamente. Assim, o sistema imunológico é apresentado ao vírus, induzindo a produção de anticorpos que sejam capazes de proteger o corpo humano.

A pesquisa está na fase pré-clínica, na qual o potencial efeito terapêutico é realizado a partir de modelos experimentais em animais, como camundongos, ou testes in vitro, antes da aplicação em seres humanos. Na segunda rodada da imunização em camundongos, a produção de anticorpos induzida foi maior do que a da vacina de Oxford, a AstraZeneca.

A UFPR segue angariando recursos para o desenvolvimento da vacina 100% nacional.

Com informações: mec.gov.br

Foto reprodução Facebook deputado federal Toninho Wandscheer

News Reporter